23 de set de 2007

I SEMINÁRIO SOBRE REFORMA AGRÁRIA E TRANSPOSIÇÃO DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO

por: *Lira Dutra
Nos dias 21 e 22 de setembro de 2007, o Fórum Microrregional de Convivência com o Semi-Árido realizou no município da Granja o I SEMINÁRIO SOBRE REFORMA AGRÁRIA E TRANSPOSIÇÃO DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO, com a presença de lideres comunitários dos distritos granjense e representantes dos municípios da Serra da Ibiapaba. No primeiro dia a mesa formada por representantes da CPT, INCRA, FETRAECE,FÓRUM MICRORREGIONAL DE CONVIVÊNCIA COM O SEMI-ÁRIDO E FÓRUM DOS ASSENTADOS/AS DA REGIÃO debateu o tema: Reforma Agrário - conquistar a terra a caminho da libertação.
O município da Granja tem uma das maiores áreas territoriais da zona norte, sendo a maior parte da população rural, mas que não detém a posse legal da terra. No seminário foi denunciado a existência de latifúndios de 1500, 3000,12000 e até de 40000 hectares, a exemplo da Fazenda Tiaia, e muitos desse latifúndios estão registrado no INCRA com o valor 5 vezes menor que o valor real. A Fazenda Jaboti foi citada com exemplo claro, que na escritura do INCRA consta com 600 hectares e quando na vistoria para desapropriação de constou-se 3300 hectares.
Muitos dos participantes do seminário ao terem conhecimento da realidade agrária, especificamente da Granja, mostrarem-se encorajado em abrirem discussões freqüentes no município.
No dia 22, a mesa foi composta PELA FRENTE CEARENSE POR UMA NOVA CULTURA DAS ÁGUAS, CÁRITAS REGIONAL E CPT. Na pauta Tranposição das Águas do Rio São Francisco, após debates e trabalho de grupos, todos os participantes firmaram contraposição ao projeto.

*pós-graduando em Ensino e Aprendizagem de História e Geografia, educador social em projetos para adolescentes de baixa renda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá!
Agradeço pelo comentário.
Sua participações é importante para nosso trabalho Granja Ceará.
Obrigado!

*Comentários anônimos poderão ser recusados/excluídos. Por isso use sempre nome e e-mail válido para comentar.

Não faça comentários de cunho preconceituoso, respeite os Direitos Humanos.