Farinhada - Emprego e Cultura Alimentícia




A CASA DE FARINHA
Quase sempre nos meses de julho, agosto e setembro são os períodos da farinhada. encontro de moradores para um processo cultural um tanto antigo.


POR NONATO ADIODATO
A casa de farinha é uma fábrica artesanal onde se produz farinha de mandioca, goma de mandioca, tapioca, beijú, Puba, entre outros.
De que é preciso para se ter uma casa de farinha? - Basta construir uma. Os habitantes de Granja constroem Casas de Farina ao lado de suas casas. Trata-se de uma espécie de varanda grande com um forno e algumas engenhocas.
A secretaria de turismo do município não ver esses espaços como potências turísticas rurais e culturais.
Como os povos antigos não encontravam alimentos em uma mercearia da forma simples que é hoje, criou-se o hábito de fabricar farinha e goma e armazenar para todo o ano. E esta cultura não acabou ainda.
As Rapadeiras de Mandioca

São as mulheres que iniciam o processo de fabricação. Depois do plantio da mandioca e da colheita são elas que assumem o primeiro passo dentro da Casa, é processo de descascagem da mandioca. Com muita conversa, prosa, piada, fofoca e acima de tudo, bom humor que elas fazem esse trabalho. É nessa hora que se fortalece o espírito de harmonia.

O forno é o local onde é finalizado o processo. Daqui saem os beijús, as carraspanhas -
conhecidas também por beijú fino - e a farinha. Como diz Djavan na música Farinha: "...você não sabe o que é farinha boa..." nessa caso é a farinha do Ceará, especificamente de da nossa GRANJA.

Comentários

  1. Participei de muitas na casa de meu avô em Cajueiro dos Coutinhos. Achava um máximo passar a noite mexendo farinha!!!!!!!! Valeu pela postagem... dessas que nos fazem lembrar os bons e essenciais momentos da vida de quem experimentou do singelo ato de viver...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá!
Agradeço pelo comentário.
Sua participações é importante para nosso trabalho Granja Ceará.
Obrigado!

*Comentários anônimos poderão ser recusados/excluídos. Por isso use sempre nome e e-mail válido para comentar.

Não faça comentários de cunho preconceituoso, respeite os Direitos Humanos.

Mais acessadas