15 de mai de 2011

Audiência pública discute criação de camarão no rio Coreaú

Na última quarta-feira, 12 de maio, aconteceu uma audiência pública no auditório do CVT - Centro Vocacional Tecnologico Dr. Juarez, praça Cel. Luiz Felipe, Centro, Granja/CE. O objetivo foi discutir a licença ambiental para implantação de mais uma fazenda de criação de camarão no rio Coreaú. A audiência, que contou com representantes da SEMACE, da colonia de pescadores Z - 45, da associação GAIA (Granjenses em Ação de Interesse Ambiental), membro do Greenpeace, começou por volta das 16 horas e em alguns momentos o dialogo entre sociedade civil e representantes da empresa Estiva ficou aquecido.


A mediadora representante da SEMACE, iniciou suas palavras explicando a finalidade da audiência, em seguida foi apresentado o projeto de carcinicultura da empresa Estiva Aquicultura. O projeto, orçado em aproximadamente R$ 22 milhões, ocupará uma área de quase 276 hectares, nas proximidades  da  vila Dr. Privat está dividindo opiniões entre os moradores daquela localidade. O auditório ficou pequeno com a presença de pescadores artesanais e moradores da vila que chegaram a protestar erguendo cartazes com frases: "Protejam nossos mangues". 



Representantes da sociedade civil junto com pescadores de ostra, caranguejo e outros mariscos cobraram dos representantes da SEMACE acompanhamento das atuais fazendas de criação de camarão e demostram preocupação com as consequências ambientais e socioeconômicas com a liberação da licença para um empreendimento do agronegócio no rio Coreaú. 

O empreendimento de carcinicultura nos chama a atenção para uso das margens do rio Coreaú. Há muito tempo nosso rio vem sofrendo diversas agressões, assim como defendi na audiência, precisamos nos responsabilizar pelo patrimônio ambiental do nosso município, ficar de olho aberto com os empreendimentos do agronegócio.

Um comentário:

Olá!
Agradeço pelo comentário.
Sua participações é importante para nosso trabalho Granja Ceará.
Obrigado!

*Comentários anônimos poderão ser recusados/excluídos. Por isso use sempre nome e e-mail válido para comentar.

Não faça comentários de cunho preconceituoso, respeite os Direitos Humanos.