sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Granja tem séculos de História

Hoje, nosso município festeja 163 anos de emancipação política. Porém, seu povo tem séculos de História. O povoamento do atual território granjense iniciou-se por volta de 1702, no século XVIII, como nos lembra o grande poeta granjense padre Osvaldo Chave:

"Granja de um,
Granja de dois,
Granja dos séculos!"

A velha Macaboqueira, neste 03 de novembro, relembra as forças dos tabajaras, a poesia de Lívio Barreto e Luana Brito, a sinfonia dos maestros Ciro Ciarlini e Pedro Peixoto, as crônicas de Ubatuba de Miranda e Raimundo Pompe, o suor do agricultor, o aboio do vaqueiro e o bumba meu boi, o sorriso das nossas crianças e a esperança dos jovens. Hoje, também, é tempo de refletir e planejar um futuro acolhedor para tantos granjenses que ainda sofrem na busca do pão e da moradia digna por entre sonhos e carnaubais.

Nossa gente chega aos 163 anos de emancipação política de pé para renovar a luta por dias melhores. "Granjenses, pela glória do Brasil/ Lutar, lutar com fogo juvenil!"

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Seminário em Fortaleza (CE) discute trajetória e futuro da política do Patrimônio Imaterial




O Brasil possui 41 bens registrados que representam a singularidade e a diversidade das manifestações culturais do povo brasileiro, sendo cinco deles são reconhecidos pela UNESCO como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. Este resultado é consequência dos avanços da Política de Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, que teve como marco à Carta de Fortaleza, elaborada há 20 anos em seminário realizado na capital cearense. 

Só no Ceará, são quatro bens reconhecidos como Patrimônio Cultural em nível federal: o Ofício dos Mestres de Capoeira e a Roda de Capoeira, em 2008; o Teatro de Bonecos Popular do Nordeste e a Festa do Pau de Santo Antônio de Barbalha, ambos em 2015. 

O evento será aberto no Theatro José de Alencar com a conferência Magna do Laurent Levi-Strauss. O francês, membro do Conselho da Europa Nostra, maior ONG europeia para a salvaguarda do Patrimônio Cultural em 43 países, lembra que quando a Carta de Fortaleza foi produzida, o Brasil estava bastante avançado em relação à maior parte da comunidade internacional. “Seis anos depois, em 2003, a UNESCO publicou a Convenção para a Salvaguarda que alcançou, desde sua consolidação, um rápido e impressionante sucesso. Ela abriu caminho para uma concepção de patrimônio cultural mais completa e ampla”, disse.