16 de nov de 2010

As razões do Celibato Sacerdotal

por:  *Antonio Alfredo Coelho Beviláqua

O celibato sacerdotal que a Igreja Católica adotou no Século XI, fez parte de um movimento reformista, com o objetivo de restaurar a sua missão evangelizadora, derrubando a interferência política com as Investiduras iniciadas no século X, quando o imperador Oto I , do Sacro Império Romano Germânico em troca da proteção que dava à igreja, começou a querer controlar os assuntos de religião e as ações do Papa, com nomeações ou investiduras de bispos que ordenavam padres casados, de acordo com as conveniências políticas, abrindo as portas para a corrupção entre os membros do clero. Estas intromissões se expandiam com ingerência política na Santa Sé exercida pelos reis da França e da Polônia, prejudicando a Igreja na sua missão de anunciadora do Evangelho. Era preciso arrancar estas ervas daninhas que transformavam a Igreja em um campo minado de corrupção e de indisciplina, usando o tráfico ou venda ilícita de coisas sagradas, manchando a conduta da Igreja e prejudicando a sua missão evangelizadora com muitos escândalos envolvendo os príncipes seculares, os quais como lobos famintos, invadiam o aprisco do Senhor. Os reis Filipe e Augusto I da França, Boleslau II da Polônia praticavam e difundiam a crueldade, a devassidão e a imoralidade, destacando-se entre estes Henrique IV, imperador da Alemanha como verdadeiro monstro, o qual foi excomungado juntamente com seu prelado rebelde formado de padres casados.

Deus se apiedou de sua Igreja e deu-lhe um Papa, como as circunstâncias o exigiam, na pessoa de Dom Hildebrando Brandeschi OSB que assumiu a suprema dignidade papal, com o título Gregório VII. Ao receber essa notícia, São Pedro Damião, Bispo e Doutor da Igreja, contentíssimo exclamou: "Agora será calcada a cabeça da serpente peçonhenta, e será posto  um termo aos negócios torpes; o falsário Simeão Mago não mais cunhará moedas na Igreja; voltará ao tempo áureo dos Apóstolos, revigorará  a disciplina eclesiástica, serão derrubadas as mesas dos vendilhões..." Não fosse a Igreja uma instituição divina, edificada sobre a rocha, os próprios filhos tê-la-iam destruído.  Nestas circunstâncias, no ano de 1073, o Santo Padre, o papa Gregório VII, convocou o Concílio Lateranense, decidindo por proibir a investidura religiosa exercida pelos imperadores e Instituiu o celibato, alicerçando-se no Evangelho. Como se vê, o celibato sacerdotal, embora não tenha sido adotado nos primórdios da Igreja, foi instituído com base no Evangelho, observando-se a interpelação de Pedro a Jesus, em Mc 10, 28-31: “Eis que deixamos tudo e te seguimos”. Respondeu-lhe Jesus: “Em verdade vos digo, ninguém há que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou filhos, ou terras por causa de mim e por causa do Evangelho, que não receba já neste século, cem vezes mais casas, irmãos, irmãs, mãe, filhos e terras, com perseguições e no século vindouro a vida eterna”. A Igreja é coerente e fiel no cumprimento da missão que lhe foi confiada, em obediência à ordem recebida de Jesus: “Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho”. Por isso, adota o celibato, em zelo pelo Evangelho e pelo sacerdócio, defendendo que os padres não devem constituir família, para que eles em se preocupando com o bem-está da esposa e dos filhos se descuidem das demais ovelhas do rebanho, como também fiquem impedidos de partirem para anunciar o Evangelho em lugares distantes. Disse Jesus em uma passagem do Evangelho: “As aves têm ninhos e as raposas têm as suas tocas, mas o Filho do Homem não tem um lugar aonde repousar”.

Muitos jovens procuram o seminário, mas só serão ordenados padres se realmente tiverem vocação para o sacerdócio e assumirem votos de pobreza, humildade e obediência, aceitando as normas disciplinares na hierarquia da Igreja, tendo todo o tempo de Seminário para decidirem, pois ser padre é um sacerdócio que requer sacrifícios. Também, qualquer pessoa de boa vontade poderá observar que a Igreja é isenta de paixões políticas, pois não deve misturar a missão evangelizadora com a arte de fazer política recomendando aos padres que não se envolvam em cargos eletivos, limitando-se a orientar os seus fiéis ao voto consciente.

Católico Leigo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá!
Agradeço pelo comentário.
Sua participações é importante para nosso trabalho Granja Ceará.
Obrigado!

*Comentários anônimos poderão ser recusados/excluídos. Por isso use sempre nome e e-mail válido para comentar.

Não faça comentários de cunho preconceituoso, respeite os Direitos Humanos.

Granja tem séculos de História

Hoje, nosso município festeja 163 anos de emancipação política. Porém, seu povo tem séculos de História. O povoamento do atual território...