Patrimônio ameaçado: a Ponte de Ferro

A Ponte de ferro sobre o Rio Coreaú com sua beleza metalica é um cartão postal da cidade de Granja/CE. Disso não há dúvidas! Lá o banho ganha um ar romântico para os apaixonados, um gosto de aventura para a garotada, um olhar de mistério para outros... Enfim o valor da nossa Ponte de Ferro ultrapassa o material e faz uma conexão passado/presente na vida de muito granjense. 

Porém nosso cartão postal, a ponte, está sofrendo as marcas do descaso para com os bens culturais do município. A foto, feita por Lira Dutra, mostra a ferrugem destruindo a estrutura da ponte. Será que os Secretários de Turismo e de Cultura do município não veem isso? Ou melhor, não têm vergonha de verem o Patrimônio da cidade acabar?

Comentários

  1. Que vergonha para poder público local, pois nem manutenir este patrimônio histórico de nossa gente!!

    ResponderExcluir
  2. É BOM QUE SE EXIJA DO PODER PÚBLICO A BOA MANUTENÇÃO DESTA PONTE.ELA É UM DO BONS PATRIMONIOS PÚBLICOS AINDA ACESSÍVEIS AO POVÃO SOFRIDO E ABANDONADO PELAS GANGUES POLÍTICAS.

    ResponderExcluir
  3. Como diz Boris Casói "ISTO É UMA VERGONHA"

    ResponderExcluir
  4. Caro Lira, Editor deste Blog:
    Parabéns pelo bom serviço que este blog vem prestando a esta boa terra.
    Sensibilizado li tudo o que tu postar acerca da ponte metálica - Uma saudade. Um partimônio arquitetônico e histórico vai muito além da visão dos políticos. Este descaso não é de hoje, é em suma, a continuidade de processo... desde o triste instante em que resolveram Pôr um fim melancólico no Trem. Algo que nunca devia ter acontecido nem aí nem em nenhum lugar. Muito interesses estão por trás de tudo isso. Veja que gozado, no 1º mundo o transporte ferroviário está a todo vapor e é sinal de tecnoclogia e conforto barato. Aqui não. Eles querem nos passar a idéia de que trem é sinal de atraso. E aí estamos vendo a problemática das nossas rodovias que não atendem mais a demanda. E que também em desaco estão uma lástima. Daqui a pouco vão querem estragá-las a iniciativa privada... E o que dizer de que o transporte rodoviário está tão atrasado que em alguns casos as passagens aéreas já estão ficando mais barataa... além das promoções chamativas.
    Bom e quanto a porte do inesquecível Coreáu?
    Estudei aí nos anos 80(87)famosa Escola Agrícola morei na república dos alunos à rua Pessoa Anta bem emfente a pracinha ao lado do velho Quelé e Dona Débora, Tiá, D. Benedita, Mestre, Orlando, Seu Vicente, e tantas outras gentes boas, amáveis e hospitaleiras.Tantas vezes apreciei a velha ponte sobre o belo rio da Granja vendo sua beleza percorrendo a antiga linha férrea invadia pela mata e que na época ainda dava para a cidade. Imaginando como devia ter sido importante o trem passando alí sobre aqueles trilhos no mais completo e covarde abandono. Uma luta da memória contra o esquecimento que ainda continua até hoje. Depois retornei a Granja em visita e vi que tinham feito um lastro de cimento sobre a passarela da ponte. Confesso que a priori não achei interessante aquela intervenção de purto mau gosto em face do peso constante sobre as estruturas. Seria mais belo e inteligente que fosse de madeira sei lá, que deixasse os tilhos à vista.., Enfim.
    Banhei-me nas águas doces do Coreaú que na época também matava a sede de toda a cidade. Nas invernadas lembro-me que água que bebiamos em casa(na república) era da mesma cor do suco de Tamarinho. Mais, confesso que era gostosa.
    Nos finais de semana o rio da ponte era uma festa. A violência era mínima. Ainda existia um certo clima de amizade interiorana e provinciana entre os entes sociais. Hoje não. a violência tomou conta de tudo. De modo que é pura lição de geografia. Nesse drama e tantos outros nós(do interior) estamos se igualando as metrópoles. O rio tanto quanto esta ponte que vc defente com vigos e heroismo neste blog para mim são recordações afetivas que nunca esqueço. Suponho que amo tanto quanto um granjense de nascimento. Posto que tenho lembraças maravilhosas destes autênticos monumentos da Granja passado que vcs os contemporâneos têm a obrigação de defender com unhas e dentes. Porque isso é o que consolida a identidade de cada cidadão. saudades e recordações dos amigos e amigas da escola agrícola do prof. Jánder bevilácqua, do Messias, da inovidável namorada granjense da minha adolescência, das festas do clube da praça, da pracinha do Batuta da solenidade de diplomação na igreja quando de última hora me pussera para fazer o discurso da turma visto que o orador grafino perdeu a coragem em cima da hora. Do futebol na quadra quase no fundo da nossa casa, dos pores homéricos de toda a turmas. Granja e sua gente uma saudade.
    Parabéns amigo por seu trabalho...
    Prof. José Cícero
    Aurora-CE
    www.jcaurora.blogspot.com
    www.prosaeversojc.blogspot.com
    www.blogdaaurorajc.blogspot.com
    www.aurora.ce.gov.br
    www.seculteaurora.blogspot.com
    jccariry@gmail.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá!
Agradeço pelo comentário.
Sua participações é importante para nosso trabalho Granja Ceará.
Obrigado!

*Comentários anônimos poderão ser recusados/excluídos. Por isso use sempre nome e e-mail válido para comentar.

Não faça comentários de cunho preconceituoso, respeite os Direitos Humanos.

Mais acessadas