Economia global: transnacionais e trabalho

Fluxos de mercadorias: o comércio global desigual

Na atual fase da globalização, tem-se observado um extraordinário crescimento do comércio internacional. De acordo com dados da Organização Mundial do Comércio (OMC), em 1950, o intercâmbio comercial mundial era de 64 bilhões de dólares. Em 2016, atingiu a marca dos 16 trilhões de dólares.


Alguns fatores foram decisivos para que isso ocorresse, entre eles: a melhoria dos meios de transporte e de comunicação; a diminuição dos custos e dos fretes; o rápido crescimento da população mundial nos últimos 60 anos; o aumento do rendimento de muitas famílias; a entrada de novos países no comércio internacional mundial; e a liberalização das regras comerciais — com o objetivo de facilitar a exportação e a importação de mercadorias entre países. Essas transformações resultaram na difusão de um estilo de vida centrado no consumo; daí a expressão sociedade do consumo, caracterizada por uma intensa procura por todo tipo de produto. 

O comércio internacional, no entanto, continua apresentando desigualdades marcantes: enquanto Europa Ocidental, América do Norte e parte da Ásia — os três principais polos da economia mundial — têm grande participação no comércio mundial, muitos países da América Latina e da África, por exemplo, ocupam posições marginais, com reduzidos fluxos de importação e exportação. 

Em parte, isso se explica pela maior capacidade de produção e de consumo dos países cuja industrialização é mais desenvolvida e pelo fato de muitos desses países manterem barreiras comerciais que impedem a entrada de produtos mais baratos, principalmente agropecuários, oriundos dos países subdesenvolvidos e emergentes.

As transnacionais

Em todo o mundo, parte expressiva da produção, do comércio e do consumo é impulsionada e controlada pelas chamadas transnacionais (figura 10)
— empresas com alto nível de organização que atuam dentro e fora do território de seu país de origem, por meio de filiais espalhadas pelo mundo.

Embora existam inúmeras transnacionais originárias de países emergentes — como as brasileiras Petrobras e Vale, que têm sede no Rio de Janeiro e atuam em mais de 25 países; e a chinesa State Grid, do setor energético, que ocupou, em 2018, a 2a posição na classificação das maiores transnacionais em valor de negócios —, a maioria e as mais poderosas estão sediadas em países desenvolvidos: Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Reino Unido e Suíça.

ASSISTA AO VÍDEO



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ORIGEM DOS FONTENELE

POPULAÇÃO

O TERRITÓRIO. O que essa palavra significa?